Sindrome do Canal Cárpico


95cdfeefTrata-se de um dos sindromes mais frequentes em consultas de patologia da mão.

É caraterizado por parestesias (formigueiros e dormencia), dor, diminuição da força e sensação de maos e dedos inchados. As parestesias podem ser intensas e referidas como queimor, enturpecimento ou encurtiçamento dos dedos.

A dor pode manifestar-se de formas diversas: dor na palma da mão, no punho ou irradiada pela face de dentro ou de fora do antebraço, até ao cotovelo ou mesmo atá ao ombro; a intensidade é vriavel.

Inicialmente os sintomas surgem durante a noite ou ao acordar; progressivamente vao-se tornando mais intensos, aparecendo também durante o dia, principalmente durante certos gestos ou atos de agarrar e/ou segurar objetos, principalmente em posições com o punho em flexão.

Este sindrome pode ter uma evolução lenta, arrastada, por surtos, ou pelo contrario, uma evolução rapida e muito incomodativa

Numa primeira fase podemos tentar formas conservadoras de tratamanto com uso de tala nocturnas, vitaminas neurotropicas e medidas posturais.

Em formas avançadas, o sindrome manifeta-se com sintomas permanentes, diminuição permanente da sensibilidade dos dedos, diminuição da destreza e atrofia da musculatura intrinseca do polegar.

A electromiografia confirma o diagnóstico.

O tratamento cirurgico está indicado quando os sintomas interferem no sono e durante atividades diárias ou quando surgem sintomas característicos de formas avançadas.

Tratamento Cirúrgico:

Utiliso uma incisão cirurgica de cerca 4 cm distalmente à prega de flexão do punho (ver fotografia anexa), no eixo do 3º espaço interdigital, aproveitando uma das pregas locais. Para além da seção do ligamento transverso do carpo, liberto também 2-3 cm distais da fascia ante-braquial.

É importante ter em mente a possibilidade de variantes anatómicas, nomeadamente do ramo motor tenar.

Não utiliso mini-incisões com o risco de lesar as inumeras estruturas anatómicas da região, nomeadamente o ramo motor e os ramos sensitivos do nervo mediano. Aproveitando as pregas da mão, a cicatriz cirurgica torna-se pouco perceptivel

No pos-operatório, a mão não é imobilizada; pelo contrario, o doente é estimulado a mobilizar activamente os dedos, usar a mão nas tarefas básicas da vida diária (vestir, alimentar-se, tratar da sua higiene, pegar nos objectos, etc) evitando apenas pesos ou gestos muito repetitivos.

Os pontos são retirados entre os 12 e 14 dias pos-op.

Ao usar precocemente a mão, o doente terá uma rápida recuperação. O tempo de paragem ao trabalho é variavel, mas geralmente ronda as 4 semanas; nos trabalhos pesados, a interrupção laboral poderá ser superior.

O prognostico é bom e as recidivas são muito raras

Os resultados expectaveis da cirurgia são bons desde que respeitados as seguintes condições:

– Indicação cirurgica correcta

– Tecnica cirurgica correctamente efectuada

– Seguimento pos-operatório atento