Lesões fechadas dos tendões flexores nos dedos da mão 


Apelidamos as lesões como fechadas quando ocorreram sem ferimentos, nem cortes e portanto, a lesão tendinosa foi provocada por um movimento súbito e inesperado associado a uma contracção muscular violenta. O tendão é arrancado na sua inserção óssea ou então rasga num local do seu trajecto, geralmente nos dedos, ou no punho.
De forma geral, estas lesões ocorrem em zonas tendinosas onde existia fragilidade prévia.
São lesões difíceis de tratar, exigem técnica cirúrgica apurada e associadas a alta taxa recuperação incompleta das mobilidades digitais.
É importante saber que cada dedo (longo) possui um flexor profundo, responsável pela flexão de F3 e um flexor superficial, responsável pela flexão de F2. O polegar possui um único tendão longo flexor.
O tendão que mais frequentemente está sujeito a rutura fechada (isto é, não provocada por ferimento cortante) é o Flexor profundo do anelar, vulgarmente conhecido por “jersey finger”, que rompe na sua inserção na base de F3. Geralmente é provocada por um forte contração súbita e contrariada do dedo: bater uma bola ou traumatismo do género. Como disse, a sua ocorrência pode pressupor a existência prévia de Lesão com fragilidade da inserção tendinosa.
O tratamento consiste na reinserção óssea do tendão com uma âncora em F3. O tendão pode arrancar um fragmento ósseo; se este for de pequenas dimensões é excisado; se for de grandes dimensões, é fixado com um parafuso. Pode ainda estar associada a uma fratura de F3, o que obrigada a fixação da fratura, geralmente com fios de aço.
A reabilitação do “Jersey finger” é semelhante à lesão por ferimento dos Tendões flexores.
Ruturas fechados dos tendões flexores na palma da mão ou no punho são muito raras na população geral; podem ocorrer nas fraturas de certos ossos do carpo, como o unciforme. São mais frequentes na artrite reumatoide, aparecendo secundariamente à tenossinovite proliferativa de longa duração ou lesões capsulo-ligamentares com exposição de superfícies ósseas desnudadas e erodidas, capazes de romper os referidos tendões. Nestes casos, deverão ser tratadas com enxerto tendinoso, ou reconstrução em 2 tempos com tratamento simultâneo do lesão óssea responsável pela rutura tendinosa.
A reabilitação tendinosa segue o programa geral das lesões tendinosas